quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Paisagem extraterrestre

(onde se vem falar sobre as férias nos Açores 

e as memórias nos submergem)



Primeiro, quis ser astrónoma. Não sei bem que idade teria, mas ainda devia andar na Primária. Desisti quando apareceram os números negativos e percebi que a Matemática era demasiado abstracta. Ou que eu era demasiado concreta. [o senhor do banco ficou muito admirado quando lhe disse há uns tempos que não precisava de uma conta corrente que pudesse ir a negativos, porque o meu número limite era o zero… deve ter pensado que estava a falar em sentido figurado, mas eu estava a ser o mais literal e honesta possível]

Nessa mesma época, 2500 km a Norte, o meu amor também queria ser astrónomo. Mas enquanto ele comprou um telescópio para ver as estrelas, eu comprei um livro. Já nesse tempo a minha via láctea era feita de letras. Era um livro técnico da Europa-América e eu não percebi grande coisa. Não percebi nada, para ser mais exacta. A oferta de literatura infantil no Portugal dos anos 80 era limitada. De qualquer modo, os meus pais abominavam a adjectivação ‘infantil’ por princípio. Como era teimosa – eu achava que era apenas uma astrónoma em potência muito persistente – decidi ler tudo até ao fim. Salvou-me o meu avô, que um dia veio almoçar a casa e me trouxe um álbum lindíssimo sobre astronomia, repleto de fotografias. O meu avô António trabalhava na Editorial Notícias e conseguia sempre desencantar livros que não se viam em mais lado nenhum. Apesar de ser um homem de números e andar sempre muito aprumado de fato e gravata. [passados uns dias, o meu tio João achou aquele conhecimento todo demasiado livresco e levou-me à Faculdade de Ciências. A minha avó Clarisse ia morrendo de susto, quando leu o papel que lhe deixámos a dizer: “Fomos conhecer cientistas a sério. Não lanchamos.” Não me lembro do lanche, nem dos cientistas. Muito menos dos laboratórios. Lembro-me de pensar que a Faculdade de Ciências era muito feia comparada com a de Letras]

Um dia, o meu pai foi ao Brasil a trabalho. Pouco depois de os meus pais se separarem, combinámos que ele me traria sempre um presente das suas viagens. Nunca falhou. Tive uma enorme colecção de ursos de peluche do mundo inteiro até um dálmata com mau feitio decidir vingar-se de uma tarde de estudo no café. Quando ia para a faculdade (a mais bonita, a de Letras), nunca se zangava… quando ia estudar para a esplanada sem o levar, tinha sempre uma pequena vingança à minha espera. Nunca percebi como é que ele sabia para onde eu ia, levava os mesmíssimos livros debaixo do braço. Nessa tarde, foram dezenas de cabeças e patas de ursos espalhadas pela casa. Mas – estava eu a dizer – um dia, o meu pai foi ao Brasil. E mandou-me um postal do Pão de Açúcar, que dizia: “Filha, é uma parvoíce querer ir à Lua, sem antes ter conhecido o mundo. O Brasil é lindíssimo.” Ora eu nunca tinha recebido um postal destas suas viagens de trabalho. E ainda por cima fui a única que recebeu um postal lá em casa. Fiquei a pensar que o Brasil devia ter mesmo paisagens muito bonitas e que tinha de ir lá o quanto antes. Também me lembro de pensar que os adultos às vezes são um bocado ignorantes. Ser astronauta não é o mesmo que ser astrónoma. [nessa viagem, não recebi um urso de peluche. Recebi uma enorme tablete de chocolate. Nunca tinha visto uma tablete tão grande na minha vida. Na manhã seguinte, acordei o meu pai para lhe perguntar se me ia levar de carro à escola e fui escorraçada. Voltei ao ataque mais duas vezes. Na última vez, o meu pai avisou-me que me matava se acordasse o meu irmão mais novo. Resignei-me a ir a pé. Eu, a mochila pesada, o cesto com o termos e a minha tablete gigante de chocolate para dividir com os amigos. Pedi à empregada que fosse buscar a tablete ao quarto com muito cuidado para não acordar o bebé. Depois de muito remexer na minha secretária, apareceu na sala com um esquadro. E eu gritei que aquilo não era uma tablete. E o meu irmão Pedro acordou a chorar. E o pai apareceu para me dar umas valentes palmadas. Valeu-me a empregada que não sabia distinguir uma tablete de um esquadro, mas que avisou que eu já estava bastante atrasada. Fui de rabo dorido a correr para escola. Eu, a mochila pesada, o cesto com o termos… e a minha tablete gigante de chocolate. O que só prova que os princípios educativos naquela casa eram muito pouco consistentes. Há uns tempos contei esta história aos rapazes e o Diogo disse que, se fizesse o mesmo, o chocolate teria voado logo pela janela. Os meus filhos conhecem-me bem]


No Verão de 2017, a tribo passou duas semanas de sonho nos Açores. E eu lembrei-me do postal do meu pai. E do livro do meu avó António. E do meu sonho de ser astrónoma. Aquela ilha encantou-me pela sua paisagem extraterrestre. Senti que estava dentro de um daqueles livros de ficção científica que aprendi a devorar com esta estranha família. [uma das coisas que recordo com mais carinho, no velório do meu avó António, no mês passado, foi ter ido novamente lanchar com o meu tio cientista]





sábado, 25 de novembro de 2017

Onze anos cheios de vida

(porque ver o Vasco ganhar mundo

 tem sido das melhores coisas desta nossa aventura)





Já vimos golfinhos a nadar mesmo ao nosso lado em São Miguel.
Já comemos um gelado no cimo da Torre Eiffel.
Já nos perdemos à noite na confusão da Jemaa el-Fna.
Já calçámos uns sapatos de bronze em Malmo.
Já nos enterrámos na lama do Mar de Jade.
Já atravessámos os Pirenéus a dormir profundamente.
Já nos arruinámos numa marisqueira na cidade do Luxemburgo.
Já nos assustámos com as múmias no British Museum.
Já nos deliciámos com uma gauffre com morangos na Grand-Place.
Já percorremos os canais de Amesterdão num barco a motor.
Já comprámos Legos em Copenhaga.
Já nos refugiámos do calor a ver o Bosch no Prado.
Já molhámos os pés em Dezembro na Praia Grande.


Hoje, no dia dos seus onze alegres anos, quem sabe o que nos espera em Phoenix Park.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

A emissão volta dentro de momentos

(onde se vai sem data de regresso)


Este ano lectivo foi muito difícil por diversos motivos. O final do ano foi especialmente dantesco. Estou bastante contente com o desempenho dos rapazes. Na escola e nas suas mil e uma actividades. Mas não estou satisfeita comigo própria. Algo falhou, sinto que andei meses a tentar acompanhar o ritmo sem conseguir. Impõe-se um período de reflexão.

Este ano decidimos ir de férias ainda antes do final das aulas. Ambas as escolas deram a sua autorização. Suponho que a minha cara de morta-viva deve ter ajudado. O meu amor organizou tudo, dentro do espírito que tinha ficado acordado no Verão passado: dar a conhecer o nosso país aos rapazes, antes de continuarmos a mostrar-lhes mais terras longínquas. E, pela primeira vez, partir juntos à descoberta de uma nova paisagem. A escolha foi fácil, dado que o meu amor ainda não conhecia os Açores. Nós também não.

As férias, este ano, querem-se "férias" no verdadeiro sentido da palavra. Ou seja, muito tempo no mesmo sítio. Tempo para ler. Para estarmos juntos. E sozinhos também. Tempo para descansar. Não quero visitar um sítio novo, tirar meia dúzia de fotografias e partir a correr para o próximo. Quero estar. Mais do que ver, quero observar. Com calma, tempo e paz. Sem a obrigação de limpar a casa e cozinhar. Enfim, férias.

Depois de uma paragem em Lisboa para matar saudades da família e dos amigos, eis-nos, então, em São Miguel. A emissão volta dentro de momentos.