terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Lobo e raposa na neve

(onde se apresenta gente do bem)


 
Tenho passado os meus dias (e noites) atrás do computador, a trabalhar. Mas não queria deixar de assinalar o nosso aniversário. Até porque nunca conseguiria fazer todos estes malabarismos se não fosse o meu amor, a minha rede de segurança que me impede de vacilar. Não queria nada de espectacular, apenas um pequeno gesto de gratidão.

E foi exactamente atrás do computador que encontrei a prenda ideal para o meu amor. Eu, que sou contra os cartões de crédito e que nunca compro nada pela internet. Mas uma amiga partilhou há uns tempos uma aguarela do ‘Mirtilo for Babies’ no Facebook. E fiquei encantada com a doçura daquelas imagens. Lembrei-me de lhes mandar um pedido de ajuda na segunda-feira passada. Um bocadinho em cima da hora, é certo. Tenho vivido mais ao sabor do número de páginas que consigo traduzir diariamente do que ao sabor do calendário.

Propus pagar uma taxa pela urgência do meu pedido, que tinha de chegar até sexta-feira. Passei tantos anos a trabalhar sobre pressão para clientes que se lembravam sempre de pedir trabalhos para ontem, como se pudéssemos pôr a nossa vida em pausa para ceder às necessidades e urgências alheias, que me apeteceu mesmo oferecer esta justa recompensa. Trocámos breves e-mails. Acho que fiz um pedido simples. Uma aguarela de um lobo e de uma raposa apaixonados, apenas isso. E mandei-lhes o link do post onde contava o início deste amor. Se fosse preciso inspiração, se houvesse paciência, se sobrasse tempo... Mal eu sabia que tempo era coisa que o casal por trás do 'Mirtilo for Babies' não tinha mesmo.

Fiz o pagamento nessa mesma noite. No dia seguinte, recebi por e-mail uma fotografia da minha aguarela. E fiquei derretida, tinham captado exactamente o que eu pretendia, mas não tinha conseguido verbalizar: o instante mágico em que nos apaixonámos. Estava aprovadíssimo. Seguiu de imediato pelo correio. No dia seguinte, nascia a Teresa, a “baby mirtilo”.

Na sexta-feira, chegou a minha aguarela. Numa embalagem lindíssima, cheia de pormenores amorosos. E ainda era mais bonita ao vivo. Delicada. Os bosques sob a neve, o caminho que fizemos, o amor que surgia… Até tiveram o cuidado de pintar umas clementinas, num piscar de olho ao post que eu tinha escrito.

Passei o dia em casa a trabalhar, com a aguarela pousada ao meu lado, à espera que o meu amor chegasse. Não consegui esperar por Domingo. E ele quando a viu, não sabendo do que se tratava, percebeu de imediato… nós, há dois anos atrás, a passear naquela longa noite pelos bosques cheios de neve de Malempré. O lobo e a raposa na neve.

Não há palavras de agradecimento, nem dinheiro que pague o amor que se põe num trabalho. O cuidado. O talento de transporem as minhas palavras em imagens. Não os conheço pessoalmente, mas só pode ser gente do bem.



6 comentários:

  1. Pronto, derreti!

    Há mesmo gente do bem! E ainda bem que nos vamos cruzando com elas :)

    ResponderEliminar
  2. E ainda não viste a página deles no Facebook, Naná. São demais... <3

    ResponderEliminar
  3. Depois de emoldurada ficou ainda mais bonita... :)

    ResponderEliminar
  4. E a página deles no FB esta em: https://www.facebook.com/mirtiloforbabies

    ResponderEliminar